Transformando Casos Complexos em Simples com o Damon System

Transformando Casos Complexos em Simples com o Damon System

Um dos adjetivos mais utilizados para falar do aparelho ortodôntico Damon System é que representa uma revolução na ortodontia que permite tratar casos complexos com uma abordagem mais simples e menos invasiva. Por exemplo, há diversos relatos de maloclusões que, sem o uso do Damon, só poderiam ser solucionados por meio de intervenção cirúrgica.

Agora, além de ser possível evitar cirurgias e oferecer tratamentos inovadores aos seus pacientes, você também terá mais previsibilidade nos resultados e efetuará seu trabalho com muito mais precisão. Essas são apenas algumas vantagens desse sistema inovador!

Quer entender, na prática, por que vale a pena trabalhar com o Damon System em seu consultório? Acompanhe o artigo que vou compartilhar depoimentos de ortodontistas e casos reais de pacientes que comprovam a eficácia deste tratamento.

Damon System para melhorar casos de sobremordidas

O ortodontista Carlos H. S. trabalha com o Sistema Damon desde 2005 e afirma que essa tecnologia é inigualável em termos de resultados ortodônticos. Ele chama atenção para a facilidade em tratar casos de classe III. Veja só:

“Tive formação inicial em Ricketts e achava legal como era possível melhorar os casos de sobremordida com os arcos de intrusões e retrusões (apesar de perceber que existia uma recidiva considerável). 

No início do Sistema Damon aqui no Brasil, quando os palestrantes mostraram a correção da sobremordida com extrusões dos dentes posteriores, com uso de bite-turbos anteriores, foi um “choque”. Foi necessário uma mudança de paradigma.  Passados os anos eu vejo que os resultados são muitos mais estáveis.

Hoje vejo como uma das maiores limitações dos alinhadores ainda corrigirem as sobremordidas profundas mais com intrusões dos dentes anteriores do que extrusões dos dentes posteriores, associadas aos desgastes interproximais. Com o sistema Damon reduzimos praticamente a zero os desgastes interproximais para obter alinhamento dos dentes.” 

Ele ainda ressalta que o Sistema Damon proporciona uma melhora no sorriso, com “expansão” dos arcos e diminuição do corredor bucal.

Veja só um antes e depois impressionante que foi compartilhado pelo Dr. Carlos S. para quem acha que ortodontia é simplesmente alinhar dentes. A diferença de sorriso é gritante não?

Paciente com lesão labiopalatal

O ortodontista Marcelo F. também reconhece que o sistema autoligado passivo — o Damon — é a melhor ferramenta  para se trabalhar atualmente por ser a mais moderna.

Para comprovar sua afirmação, ele compartilhou o caso do seu paciente Luis, que tinha uma lesão labiopalatal.

Para tratar esse caso, o sistema tradicional era limitante, por não possuir controle de torque, nem permitir trabalhar com o formato do arco. Ou seja, não dava para incorporar os dois incisivos centrais que estavam separados do arco dental.

Entretanto, como o Damon possui arcos de altíssima tecnologia e altamente flexíveis, foi possível passar um fio contínuo e devolver o formato do sorriso de molar a molar.

Na imagem, você consegue observar o grau de plasticidade do fio CuNiti .013, do Damon System. Essa tecnologia ainda proporcionou um resultado impressionante em apenas 60 dias. Confira:

Entretanto, o Dr. Marcelo traz uma visão mais humana sobre as vantagens do Damon: esse  sistema autoligado tem o poder de devolver o sorriso aos pacientes, mesmo para quem enfrenta problemas mais complexos.

Este foi o caso do seu paciente Luis, que durante muito tempo não se sentia à vontade em sorrir. Mas que, após o tratamento, passou a se sentir confiante para estampar um sorriso em seu rosto.

Como diferencial, o ortodontista ainda ressalta que o Damon permite proporcionar aos pacientes um resultado rápido, eficiente e previsível.

Disjunções em crianças e adolescentes

A ortodontista Maria R. R. conta que o Damon System representa uma revolução em seu consultório.

Em casos de disjunções em crianças, era uma situação comum ela pedir uma radiografia panorâmica para reavaliar espaços disponíveis dentro da boca do paciente e verificar que não havia espaço suficiente, pois as raízes dos incisivos ainda se encontravam abertas. Por essa razão, não poderia intervir com o aparelho fixo convencional.

Entretanto, o Sistema Damon trouxe a possibilidade de dar continuidade ao tratamento já que usa forças tão leves, biológicas e fisiológicas, para obter os espaços. Agora, dependendo do caso, se a forma do arco é boa, não é necessário fazer disjunção, apenas usar o Damon. 

Ela relembra o caso de um paciente adolescente, encaminhado a ela por um cirurgião buco maxilo facial, em que foi possível reverter a necessidade de disjunção cirúrgica somente com o uso do sistema autoligado.

Gostou de descobrir que a alta tecnologia do Damon System permite tratar casos complexos de forma mais simples? Você também pode oferecer esses resultados aos seus pacientes e diferenciar o seu trabalho dos demais dentistas.

Entre em contato com Meu Ortodontista e saiba como levar ao seu consultório a tecnologia mais moderna em ortodontia!

A Pergunta que Desafia Todo Ortodontista: Ter uma Clínica de 200 Casos Ortodônticos Por Ano ou 50 Como a Maioria?

A Pergunta que Desafia Todo Ortodontista: Ter uma Clínica de 200 Casos Ortodônticos Por Ano Ou 50 Como a Maioria?

Em minhas conversas com ortodontistas do Brasil que utilizam sistemas de braquete autoligado encontro muitas clínicas que iniciam uma faixa de 30 a 40 casos por ano. Em menor quantidade, outras chegam a 80 a 100 casos anuais. De uma maneira informal posso estimar a média em cerca de 40 a 50 casos/ano.

Grande parte dos ortodontistas que trabalham com Damon System atendem na faixa de 40 a 50 casos ortodônticos anuais, principalmente pelo fato de focarem em oferecer um produto de maior valor agregado. Mas se esse sistema proporciona uma maior lucratividade, o que permite diminuir a quantidade de pacientes atendidos e ainda ganhar mais do que com o aparelho convencional, vale a pena ter uma clínica mais movimentada?

Confira uma entrevista com o ortodontista Ricardo Lodi em que ele compartilhou porque prefere atender 200 casos com Damon System em vez dos 50 da média. Mas, afinal, quais as vantagens de utilizar essa estratégia? Descubra no artigo!

Quantos novos casos ortodônticos devo focar em atender por ano?

Para o Dr. Ricardo Lodi, a questão não é a preferência entre atender mais ou menos casos ortodônticos. O ideal é pensar como empresário, não apenas como dentista. 

Claro que todos nós temos o sonho de atender pouco e ganhar muito,e o Damon System possibilita essa realidade!

Porém, na estratégia de mercado de Lodi, ele constatou que, no momento, é mais vantajoso ter 200 casos por ano em sua clínica. Para chegar a essa conclusão, foi preciso realizar algumas análises, como:

Poder aquisitivo do público-alvo

Nos lugares que você atende, qual poder aquisitivo da população? Quanto eles estão dispostos a investir em saúde? Existem pessoas interessadas em um produto de melhor qualidade? Este público busca para outros lugares esta oferta que não existe em seu local? Qual o custo fixo de manter a minha estrutura?

Avaliação da concorrência

Para descobrir quanto você pode cobrar por tratamento, analise a concorrência. Quem é e como está a concorrência à sua volta? Quanto eles cobram pelo mesmo tratamento? 

Tenha em mente que a realidade dos preços em São Paulo, por exemplo, não é a mesma que das cidades do interior.

Conforme ensinei no artigo sobre precificação em Odontologia, o consumidor está disposto a pagar até (no máximo) 30% mais do que considera justo para adquirir um produto ou serviço. Desde que você ofereça um diferencial atrativo. O Dr. Lodi usa essa estratégia para definir seu preço!

Desenvolvimento da clínica

Atender 200 casos ortodônticos é vantajoso principalmente quando você trabalha para o desenvolvimento da clínica e conta com uma equipe multidisciplinar, como é o caso do Dr. Lodi.

Afinal, o paciente ortodôntico está disposto a fazer diversos tratamentos com você, como profilaxia, limpezas, restaurações, etc. E você pode usar isso ao seu favor!

Financeiramente, Lodi concluiu que trabalha menos do que quando trabalhava com o convencional e tem um faturamento muito maior, com maior satisfação dos clientes, além de mais indicações resultantes destes pacientes, o que se torna um círculo virtuoso muito interessante.

Vantagens de atender 200 novos casos ortodônticos por ano

Para o Dr. Lodi, ter uma clínica focada em começar 200 novos clientes por ano faz o negócio girar mais e reduz o custo operacional de deixar a cadeira vazia! 

Contudo, a principal vantagem é que a empresa tem mais segurança e fôlego para planejar ações estratégicas futuras, como abertura ou fechamento de uma nova filial.

Além disso, quem depende de poucos clientes está sujeito a variações muito grandes de mercado. Por exemplo, durante uma crise, ou pandemia como vimos recentemente, se seu público-alvo for afetado, você será diretamente impactado.

Vale destacar ainda que com o Damon Smile é possível atender 20 a 25 pacientes por dia, sem atolar a agenda, porque as consultas são feitas com muito mais rapidez e agilidade do que com o sistema convencional.

Como o Damon também permite espaçar retornos a cada seis, oito ou até dez semanas, é possível aumentar o número de pacientes, sem ficar sobrecarregado.

O cálculo da agenda  de atendimentos é o seguinte:

Quantidade de clientes em atendimento

Se eu começo 200 casos por ano e o tempo de finalização do Damon está entre 18 a 24 meses, a clínica deve ter em tratamento no máximo 400 clientes. 

Frequência de atendimento X Agenda

Se atendo com intervalos de seis a oito semanas, tenho uma agenda de atendimentos de 50 a 67 atendimentos por semana. Eu conheço muitas clínicas que começam metade dos casos e tem a agenda lotada.

A lógica é: no convencional se eu inicio 100 casos por ano, eu tenho em média 300 pacientes em tratamento, que atendo uma vez ao mês. Ou seja, 75 pacientes por semana!

Você consegue se reconhecer nestes números?

Então, a dica é atuar como um dentista de 50 casos, mas avaliando se deve ou não dar o próximo passa para os 200 casos ortodônticos!

Perguntas frequentes sobre atender 200 casos ortodônticos anuais

A qualidade de vida é uma das principais dúvidas dos ortodontistas que desejam dar esse passo. Dr. Lodi esclareceu que no ano passado conseguiu tirar 50 dias de férias!

Já quanto ao atendimento desses 200 novos pacientes, ele é o ortodontista responsável pelo tratamento, mas conta com uma equipe eficiente e treinada para auxiliá-lo. 

E será que os pacientes reclamam de voltar apenas depois de 60 dias? Pelo contrário. Dr. Lodi diz que esta é uma das qualidades que mais atrai seus pacientes e diferencia o tratamento.

Quer conferir na íntegra minha conversa com o Dr. Ricardo Lodi, onde ele conta sobre a sua experiência com 200 casos? Dá play no vídeo:

Se tiver alguma dúvida ou precisar de mais informações sobre o Damon System, entre em contato com o Meu Ortodontista.